Cultura

Roteiro dos Castelos de Portugal. CRÓNICA 1

Abrantes

Descrição: Implantado numa colina, o Castelo altaneiro de Abrantes dá mostras de uma rara beleza, enquadrado que fica, em termos arquitectónicos, a meio caminho entre um castelo tradicional e uma fortaleza. Segundo consta nos anais históricos, terá sido construído a mando do primeiro monarca português, o célebre Dom Afonso Henriques, algures no século XII. Mais tarde, foi doado à Ordem de Santiago de Espada, especificamente no ano de 1173. Com tal atitude, o soberano pretendia ver reforçada a linha defensiva do território na fronteira entre o Ribatejo e o Alentejo, duas divisões administrativas separadas pelo rio Tejo. Com o passar do tempo foi sendo sucessivamente remodelado, alcançando, em 1300, por ordem de Dom Dinis, o rei trovador, uma Torre de Menagem, estilo tão em voga no período. Mais recentemente foi também prisão, encontrando-se actualmente bem cuidado e servindo como espaço cultural. No seu interior destaque ainda para a Igreja de Santa Maria do Castelo.

Outros motivos de interesse: A região de Abrantes é notoriamente reconhecida pelo seu apego cultural, no caso mantendo tradições como o folclore, possuindo alguns grupos de cantares regionais, ou mesmo o teatro. No que à gastronomia diz respeito, o destaque vai para a famosa palha-de-abrantes, cuja base de confecção são os ovos e o açúcar, assim como as tigeladas, outro produto famoso da região.

Almourol

Descrição: Construído, precisamente, como aproveitamento de uma pequena ilhota no seio do rio Tejo, que possui, em termos de dimensões, 310 de comprimento por 75 de largura, o Castelo de Almourol desde tempos remotos tem fascinado os habitantes nacionais e até os candidatos a invasores. Com o tempo foram construídas várias lendas relacionadas com este espaço militar e hoje em dia os seus visitantes continuam a sentir-se fascinados por esta construção que remonta a um período anterior a 1129 quando D. Afonso Henriques o conquistou para a posse de Portugal. Por intermédio de Dom Gualdim Pais, o mais famoso dos mestres do Templo em Portugal, a estrutura foi reformulada no ano de 1171 preparando-se ainda melhor para servir de defesa aos avanços mouriscos, vindos de Sul. Já no século XX foi classificado como Monumento Nacional, tornando ainda mais relevante a sua importância no contexto arquitectónico do país.

Outros motivos de interesse: Próximo ao Castelo de Almourol, podemos encontrar, dentro do espaço físico de Vila Nova da Barquinha um extenso património de cariz religioso, de onde destacaríamos a Igreja Matriz, a Capela de Nossa Senhora dos Remédios e a Capela do Senhor Jesus.Tendo em conta que se trata de uma zona com fortes tradições de ligação à actividade tauromáquica, ressalve-se a existência de uma antiga Praça de Touros na Barquinha.No tocante à gastronomia, a grande maioria dos pratos típicos da região andam em torno da actividade piscatória, relevante na economia local, particularmente a caldeirada de peixe, as enguias à pescadora ou a açorda e sopa de sável.

Alter do Chão

Descrição: Sendo fiel representante da arquitectura trecentista portuguesa, o Castelo de Alter do Chão manifesta, ainda hoje, uma beleza muito própria, apresentando planta quadrangular e um estilo gótico que o define com contornos distintos. Para além de possuir panos de muralha compostos de xisto e granito, um dos principais destaques vai para as seis torres e um coruchéu cónico que completa um dos cubelos da fortificação. Segundo se sabe, a existência do Castelo era já uma realidade durante a regência de D. Sancho II, em 1240, tendo em conta as referências documentais existentes. Após um período onde esteve na posse de particulares, a Fundação da Casa de Bragança decidiu-se pela sua aquisição, já no século XX, e as obras efectuadas possibilitaram a que hoje seja um dos espaços arquitectónicos mais bem conservados na sua zona.

Outros motivos de interesse: Dentro do múltiplo património existente em Alter do Chão, uma terra onde a arte equestre é tida com elevada estima, podemos destacar o Palácio dos Viscondes de Alter, igualmente conhecido por Casa Nobre da Barreira, assim como a Capela de Santo António dos Olivais, a Igreja do Senhor Jesus do Outeiro ou o Palácio do Álamo. Para todos os que preferem um passado mais distante, estamos em crer que se recomenda vivamente uma visita à Estação Arqueológica de Alter do Chão.

Autor: Pedro Silva

A sua obra de estreia, “Ordem do Templo: Em Nome da Fé Cristã” surge no ano 2000, lançada em Portugal através da chancela da editora Ulmeiro. Neste livro os Templários são descritos de uma forma concisa, tratando-se de um Manual de introdução a esta Ordem militar e religiosa.

Sobre el autor

Jordi Sierra Marquez

Jordi Sierra Marquez

Comunicador y periodista 2.0 - Experto en #MarketingDigital y #MarcaPersonal / Licenciado en periodismo por la UCM y con un master en comunicación multimedia.

Dejar un comentario